original original

Covid-19: mesmo com pandemia perdendo força, 2ª dose é fundamental

Foto de: Divulgação

Depois de atingir a marca de 100% da população estimada com 12 anos ou mais vacinada com ao menos uma dose do imunizante contra a Covid-19, Toledo agora busca repetir o feito em relação às segundas doses (D2). Contudo, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) tem visto com preocupação a queda no interesse das pessoas completarem o esquema vacinal.

Continue a leitura depois do anuncio.

Até a tarde da última quarta-feira (8), 13.220 pessoas que já poderiam ter tomado a D2 ainda não haviam procurado o ponto de vacinação para efetivarem a proteção contra a infecção pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Deste total de doses que já deveriam ter sido aplicadas, 264 unidades (2%) são da Coronavac, 1.717 (12,99%) da AstraZeneca e 11.239 (85,02%) da Pfizer. 

O diretor-geral da SMS, Fernando Pedrotti, compreende que o momento epidemiológico é favorável, com baixa disseminação do Sars-Cov-2 no município, porém alerta sobre os riscos de não se completar o esquema vacinal. “Só a segunda dose é a que vai conferir proteção, imunidade  contra a Covid-19. Receber uma única dose é como não ter sido vacinado A variante ômicron representa um risco ainda maior para e por causa das pessoas que não tomaram a D2. Quem já recebeu fica menos exposto a contrair a doença e de transmiti-la para os outros. Não queremos que isso aconteça e pedimos que as pessoas que se encontram nesta situação procurem o quanto antes as unidades de saúde”, solicita.

A segunda dose do imunizante contra a Covid-19 deve ser aplicada 56 dias (8 semanas) após a primeira unidade vacinal (D1) de AstraZeneca e Pfizer ou 21 dias após tomar a D1 da Coronavac. “A Secretaria está buscando conscientizar as pessoas sobre a importância da segunda dose. O primeiro passo é monitorar aqueles que tomaram a primeira dose e estão com a D2 atrasada. A partir disso, fazemos a busca ativa e entramos em contato para que procurem a unidade de saúde e efetivem a sua imunização”, detalha.

Pedrotti observa que tomar a D2 pode garantir mais segurança às festas de fim de ano. “Lembramos que a segunda dose leva 14 dias para conferir proteção ao paciente. Assim sendo, a 16 dias do Natal, insistimos para que as pessoas que estão com a segunda dose atrasada procurem já a unidade de saúde e a recebam. O coronavírus e suas variantes tendem a se disseminar com mais força entre pessoas que não se vacinaram ou que tomaram só a D1. Por isso, vacine-se já, não deixe que um atraso atrapalhe a preparação para estas festas, bem como não exponha sua família, seus amigos e as pessoas de seu convívio a riscos desnecessários. Algumas pessoas relatam pequenos efeitos colaterais no pós-vacina, mas tenha certeza, eles são bem menores do que contrair a doença”, pontua.

Pronto Atendimento
Além de se vacinar, outra maneira de conter a disseminação do novo coronavírus é não ficar circulando livremente quando tiver sintomas de síndrome gripal (tosse, febre, dor de garganta, entre outros). Quem estiver nesta situação deve se dirigir imediatamente ao Pronto Atendimento Municipal Doutor Jorge Nunes (PAM/Mini Hospital), na Vila Pioneiro (aberto 24 horas por dia, 7 dias por semana), e seguir as orientações médicas.

Outra questão importante é manter o uso de máscara, o distanciamento social, mesmo que agora nos festejos de fim de ano aconteçam as tradicionais reuniões familiares, e a lavagem das mãos ou assepsia com álcool em gel. 

Fonte: Assessoria



Postar um comentário

Obrigado!

Postagem Anterior Próxima Postagem
close