Prefeitura firma contrato com a administradora do cartão ‘Toledo é + Dignidade’

Foto de: Reprodução

A Prefeitura de Toledo firmou, nesta semana, o contrato com a BK Bank, empresa que vai administrar o cartão ‘Toledo é + Dignidade’. A ferramenta vai substituir a entrega de cestas básicas (entre R$ 80,00 a R$ 90,00) por um cartão alimentação com crédito de R$ 130,00 para compras no comércio local. Todos os meses 1.400 famílias serão atendidas e o novo formato vai possibilitar a aquisição dos alimentos de acordo com as necessidades e particularidades de cada usuário.

Continue a leitura depois do anuncio.

Para este ano, a previsão é investir R$ 540 mil e em 2022 este valor deve chegar aos R$ 2 milhões injetados na economia. A administradora do cartão alimentação já iniciou o cadastramento dos técnicos e profissionais da Secretaria Municipal de Assistência Social e Proteção à Família (SMAS). Na próxima semana será iniciada a capacitação dos servidores municipais que irão operacionalizar o sistema. Neste primeiro momento, os cartões serão mais simples e em novembro eles serão substituídos pelo oficial, com timbre e identificação do programa. 

A empresa também trabalha no cadastramento dos comércios locais. “Quanto maior o número de estabelecimentos locais fica mais acessível para a população. A administradora dos cartões também precisa garantir o cadastramento de empresas no interior, para que as famílias que residem no interior possam ter essa alternativa de fazer a aquisição de alimentos nos distritos também”, explicou a secretária da SMAS, Solange dos Santos Fidelis.

No primeiro semestre foram liberadas 7.675 cestas básicas, para atender aproximadamente 750 famílias de projetos e mais de 600 famílias por mês em situações consideradas emergenciais. “Essas quase 8 mil cestas foram fornecidas por empresas de fora de Toledo e demandam armazenamento e logística para distribuição. Tudo isso será facilitado com o cartão”, comentou.

Sobre os beneficiados - Segundo os dados da SMAS, 1.400 famílias são atendidas mensalmente, sendo 60% desse total incluídas em projetos sociais e 40% em atendimentos emergenciais. “As famílias que recebem mensalmente participam de algum programa ou atividade todos os meses com acompanhamento técnico. Neste momento já será feita a recarga. Se em algum mês ela não ocupar todo o crédito, o valor é cumulativo para o próximo período”, comentou Solange.

Dignidade - De acordo com o prefeito de Toledo, Beto Lunitti, a ferramenta traz mais dignidade para as pessoas e famílias beneficiadas. "Dá o poder de escolha. O cidadão não precisará mais vir até a SMAS, com um carrinho de mão, para buscar seu alimento. As pessoas não terão mais o receio de serem julgadas por viver uma situação de vulnerabilidade social”. Atualmente, quem tem direito a este benefício precisa ir até o local específico, criando um fluxo de entrega e retirada das cestas e, além da exposição, esse sistema gera dificuldade para quem tem problemas de saúde, idade avançada, falta de veículo, entre outras situações que impactam nesse transporte. “É a economia a serviço da vida”. completa.

Fonte: Assessoria


Postagem Anterior Próxima Postagem