Confirmado os dois primeiros casos da variante Delta em Toledo




A Secretaria de Saúde informou, nesta quinta-feira (02), os dois primeiros casos da chamada variante delta em Toledo. As informações foram repassadas no fim da manhã. Os casos confirmados em Toledo são de um homem, de 51 anos e com histórico de viagem, com evolução para óbito, e de uma mulher de 17 anos sem necessidade de internamento e sem histórico de viagem e recuperada.

 

Continue a leitura depois do anuncio.

Além de Toledo, outros municípios paranaenses registraram novos casos da variante no Paraná, sendo eles Paranaguá, Araucária, Colombo, Curitiba, Piên, Piraquara, São José dos Pinhais, Ponta Grossa, Fernandes Pinheiro, Imbituva, Palmas, Cascavel, Guaraniaçu e São João do Ivaí. Ao todo, foram 95 casos, com 24 óbitos confirmados até a tarde da quarta-feira (01), conforme informações da Secretaria de Estado da Saúde (SESA). 

 

De acordo com a secretária de Saúde de Toledo, Gabriela Kucharski, a presença da nova cepa em Toledo era esperada. “É uma mutação já detectada em vários países do mundo e com casos também no Paraná. O maior perigo dessa variante está relacionado à maior transmissão”, explica. Apesar de mais transmissível, a nova cepa não apresenta um risco de morte maior do que outras variantes. 

 

Gabriela ainda acrescenta que a confirmação dos dois casos em Toledo aconteceu por meio de exames de genotipagem realizados por amostragem aleatória em pacientes que ficam doentes por coronavírus. “Estamos atentos a estes casos, preparados para enfrentar mais esta batalha e reforçamos a necessidade das pessoas continuarem buscando a vacinação conforme as orientações do Plano Nacional de Imunização (PNI)”, reforça.

 

Diante da situação, o diretor geral de Saúde Fernando Pedrotti reforça a necessidade de manter os cuidados contra a doença, como o uso de máscara, distanciamento social, lavagem frequente das mãos e manter os ambientes sempre abertos e bem ventilados. “A transmissão é ampliada de 60% a 200% com a variante delta, por isso a necessidade da manutenção dos cuidados”, conclui Pedrotti.



 


Postagem Anterior Próxima Postagem