Com a crise hídrica, Toledo pode ficar sem água




Diversos setores da administração municipal se reuniram nesta quinta-feira (02) para discutir ações frente à estiagem enfrentada por todo o estado do Paraná, com os efeitos já se fazendo notar na região. A intenção é buscar soluções para o problema e seu impacto na produção agropecuária, além de traçar estratégias para diminuir o impacto da crise hídrica. A Prefeitura de Toledo já está atendendo propriedades com abastecimento de água para pocilgas e aviários. 

 

Continue a leitura depois do anuncio.

A reunião foi coordenada pelo prefeito Beto Lunitti. De acordo com o gestor municipal, a gravidade da situação inspira ações urgentes e a administração municipal tem buscado coordenar estes trabalhos. Para a próxima semana, o Gabinete do Prefeito vai promover um encontro com os representantes de cooperativas e empresas integradoras da produção pecuária. “A crise hídrica, em especial no setor agropecuário, é um fato preocupante. A Prefeitura não se furta do seu papel de articular e buscar soluções, porém, a situação é emergencial e depende do envolvimento do setor privado também”, frisa. 

 

Neste momento, a Secretaria de Infraestrutura Rural distribui aproximadamente 30 mil litros de água/dia para algumas regiões mais castigadas pela falta de chuvas, como Cerro da Lola e Dez de Maio. “Estamos estudando formas de continuar mantendo o abastecimento das propriedades já atendidas e nossa preocupação é que esta situação se amplie, pois não temos previsão de grandes volumes de chuvas”, explica o secretário da pasta Maicon Stuani.

 

Abastecimento Urbano - Para o consumo humano, de acordo com o coordenador de Planejamento e Administração da Regional de Toledo da Sanepar, João Carlos Lopes, que participou da reunião, o abastecimento ainda está se mantendo sem a necessidade de ações de interrupções. Porém a empresa monitora o cenário diariamente. “Os nossos poços artesianos estão mantendo a produção e a captação no Rio São Francisco ainda não foi comprometida. Por enquanto não cogitamos racionamento ou rodízio, mas é preciso que a população faça o uso consciente da água”, alerta.



 EFEITOS CLIMÁTICOS - As mudanças do clima, que estão afetando todas as regiões do mundo, não têm precedentes – segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) ao divulgar no início de agosto o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Este é o mais importante relatório sobre ciência climática dos últimos sete anos, recolhendo estudos compilados por pesquisadores do mundo todo.

Os efeitos são eventos climáticos extremos mais frequentes e mais severos como ondas de calor, chuvas fortes e secas em todas as partes do mundo. Segundo o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Lincoln Alves, que trabalhou no relatório, as observações das últimas décadas mostram que o clima do Brasil está mudando.

“Todas as regiões tiveram aumento nas temperaturas médias. O intervalo entre os eventos extremos está diminuindo e estão se tornando cada vez mais fortes. Antes, quando se falava em seca, pensava-se no semiárido nordestino. Hoje fala-se em seca na Amazônia, no Sudeste e no Sul do Brasil”, afirma.

Dicas de economia de água:

Feche a torneira - Ao lavar as mãos ou a louça, não deixe a torneira aberta todo o tempo. Isso evitará que vários litros de água tratada sejam desperdiçados.

Hora do banho - Seja rápido no banho. Cada 5 minutos embaixo do chuveiro ligado consomem aproximadamente 70 litros de água.

Basta um copo - Para escovar os dentes é necessário apenas um copo de água. Feche a torneira.

Use a vassoura - Antes de lavar a calçada, use vassoura. Jamais use a água potável para esse serviço. Reaproveite a água da lavagem de roupa ou da chuva.

Economia - Diminua as descargas. Regule periodicamente a válvula hidra ou a caixa de descarga. Coloque uma garrafa pet com água ou areia dentro da caixa de descarga acoplada. Se a garrafa for de 1,5 litro, a cada descarga, você economia 1,5 litro de água.

Lavando roupa - Junte roupas para lavar todas de uma só vez. Aproveite a água usada no tanque ou na máquina para lavar calçadas.

Tá Pingando - Os maiores ladrões de água são vazamentos, torneira pingando e descarga desregulada. Faça manutenção regularmente.

Carro - Em época de estiagem não lave o carro. Reaproveite água da chuva ou de lavagem de roupas para fazer a limpeza.

Fazendo a barba - Não faça a barba com a torneira aberta. Use a água somente para molhar e enxaguar o rosto.

Tá na mão - Lavar as mãos com a torneira aberta o tempo todo causa um grande desperdício. Ao ensaboar as mãos, deixe a torneira fechada.

Reaproveite - A água do último enxágue das roupas, no tanque ou na máquina, pode ser usada para ensaboar tapetes, tênis, cobertores, pisos e calçadas.

Gaste menos - Ao lavar a louça, encha a cuba de água e deixe-a fechada. Evite deixar a torneira aberta, enxágue a louça toda ao final da lavagem. Assim, o gasto de água é bem menor.



Postagem Anterior Próxima Postagem