Polícia divulga carta encontrada com Lázaro Barbosa no dia de sua morte





Foi divulgada nesta segunda-feira (5) a carta que foi escrita por Lázaro Barbosa, psicopata que mobilizou centenas de agentes de segurança durante os 20 dias de sua caçada. O homem de 32 anos era procurado por vários crimes e foi morto em confronto com a força-tarefa na cidade de Águas Lindas, em Goiás.

A mensagem escrita numa folha de caderno foi encontrada em um dos bolsos do bandido e estava manchada de sangue. A polícia acredita que a carta seria entregue a algum amigo, já que desconfia que o criminoso recebeu ajuda durante os 20 dias que permaneceu numa área de mata. Em um dos trechos do documento, ele detalha a cena de um dos crimes que cometeu, quando uma de suas vítimas reagiu.


Continue a leitura depois do anuncio.

A polícia acredita que esse trecho em específico se refira à chacina da família Vidal, na cidade de Ceilândia (DF), quando quatro pessoas da mesma família foram executadas pelo criminoso. “O cara tava armado e antes de eu conseguir enquadrar a vítima, ainda conseguiu avisar uma pessoa, quando eu vi já foi só os tiros”, diz o criminoso em um dos trechos da mensagem.

Ele revela ainda que estava sem munições para um eventual confronto com a polícia ou até mesmo para render outras vítimas. Por esse conteúdo, a polícia acredita que ele entregaria essa carta a algum comparsa para conseguir se armar. “Tô zerado de munição (…) Pra pegar pra mim, vou te adiantar 500 reais”, escreveu o psicopata. Além dessa carta, os policiais encontraram R$ 4,4 mil em dinheiro – a origem desse valor ainda está sob investigação.

Confira abaixo a íntegra da carta escrita por Lázaro Barbosa, divulgada pelo Correio Braziliense:

“Oi Jil, olha mano velho eu fui numa fita que deu mó peteco como vc mesmo deve ta vendo o cara tava armado, e antes de eu conseguir enquadrar a vitima ainda consegui avisar uma pessoa que quando eu vi já foi só os tiros

Deu essa p… aí, olha tem um monte de mentira rolando, vejo na TV as vezes, mas isso só daria pra falar se fosse pessoalmente.

Mano não vou me entregar, pois além do caso (…) tem muita coisa que tão querendo botar pra mim, e eles tão me caçando como caça viado, já tive 2 confronto com eles e to zerado de munição, cara por favor arruma o tanto de munição de 38 e 380 pra mim, eu tenho 35 munição de 380 lá naquele barraco que eu tava ve com a — (Lázaro omitiu o nome) pra pegar para mim eu voou te adiantar 500 reais por esse corre por favor mano não me deixa na mão não pois se eu não arrumar comprado eu vou ter que ir atrás e pode morrer mais gente e isso não pode acontecer, eu só quero que eles não cheguem perto de mim que são muitos e tão só pra matar.

Se tu for me ajudar vem pegar a grana se não rasgaFalou, to na — (ocultado por Lázaro)”



Fonte: Correio Braziliense



Postagem Anterior Próxima Postagem
original original original original original original
close