Sete crianças abandonadas nuas e trancadas são resgatadas pelo Conselho Tutelar

Foto de: Reprodução

O Conselho Tutelar resgatou, na tarde desta sexta-feira (4), sete crianças que estavam trancadas com a irmã adolescente, de 17 anos de idade, em um pequeno barraco no Bairro Marabaixo 4, zona oeste de Macapá - Amapá.

Continue a leitura depois do anuncio.

Elas viviam em condições subumana e estavam sem comida. A mãe abandonou os filhos no imóvel, segundo a denúncia. De acordo com o conselheiro tutelar Helton Luiz Costa, as 3 meninas e 4 meninos estavam sem condições mínimas de sobrevivência. As crianças têm entre 3 e 7 anos.

Os menores são filhos de duas irmãs, que chegaram a procurar o órgão após o resgate. As crianças foram levadas a um abrigo, já que estavam em situação de risco e não tinham outros familiares. Os pais não foram localizados, e a adolescente foi acolhida em outra unidade.

Segundo o conselheiro, a casa não tinha recursos básicos como água encanada, água potável, alimentos, fogão e geladeira. Os menores estavam muito sujos, além de apresentar gripe, indícios de anemia e feridas pelo corpo. De acordo com o conselho, todos recebem atendimento médico em um centro de saúde.

A menina de 13 anos era instruída para dizer que tinha 17 e para tomar conta das crianças. Ela contou que é tia dos pequenos, que são filhos de suas duas irmãs mais velhas. Uma delas é mãe de três crianças, e a outra é mãe de quatro.

“As duas mães já faziam isso há alguns dias, deixavam a menina tomando conta das crianças. Ela tem 13 anos de idade, mas dizia ter 17 porque as irmãs estavam induzindo para que ela mentisse sobre a idade. Ela relatou ainda que essas crianças sempre ficavam trancadas. As mães falaram que os pais são totalmente ausentes e só dois apareceram, e outros elas nem sabem quem são. As avós também não podem ficar com elas, então nós tomamos a medida de abrigá-las”, detalhou.

As mães não foram presas e a Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra a Criança e o Adolescente (Dercca) informou que ainda não teve acesso ao caso.

Fonte: Salaes Nafes/CGN



Postar um comentário

Obrigado!

Postagem Anterior Próxima Postagem